Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

mar

literatura, cinema e afins

mar

literatura, cinema e afins

Sab | 30.06.18

Literatura | Opinião: "Nem Todas as Baleias Voam", de Afonso Cruz

Mar Pereira

123.PNG

 Para mais informações, clica aqui.

XXXXx.pngMuito curiosamente, para mim, que sou uma fã de História, sem qualquer tipo de vergonha, o período da Guerra Fria sempre foi complicado, nunca gostei lá muito de estudar esta Guerra na escola, achava-a um tanto, poderei dizer, sem julgamento, desinteressante? Preocupante, sim. Interessante? Bom, para mim, nem por isso.

Isto até ter viajado para estes anos, através das palavras de Afonso Cruz. Aí sim, este período tão importante da História me deixou com a pulga atrás da orelha.

Duvido que seja novidade para alguém, mas, de facto, Afonso Cruz é um dos meus autores favoritos e dele não espero menos do que um livro cinco estrelas. Bom, este seu Nem Todas As Baleias Voam não foi um livro cinco estrelas, com muita pena minha, mas foi, como de resto não poderia deixar de ser, um livro e tanto.

Para quem nunca teve contacto com o autor, não recomendo, de todo, este livro para começar. Primeiramente, eu li Vamos Comprar Um Poeta e fiquei instantaneamente encantada.

Não é que este livro de Afonso Cruz seja mau, mas… Não sei, faltou qualquer coisa, soube-me a pouco.

A história de amor que este livro nos conta é, simplesmente, encantadora. Mas, ainda assim, há que valorizar esta jornada da “ideia mais fantástica da Humanidade: pretender conquistar o mundo através da música em vez de, por exemplo, explodir Hiroxima ou invadir o Iraque”.

Comparando este livro com os outros que já li do autor, este ficou aquém. As personagens ficaram aquém, o desenvolvimento ficou aquém… Ganha pontos pela maravilhosa ideia e pela ainda mais maravilhosa escrita.

Um autor que muito admiro disse, numa das suas obras de arte, que “um homem é feito dessas histórias, não é de adê-énes e músculos e ossos. Histórias.” e também que “Um homem possui três estômagos: um na barriga, outro no peito e outro na cabeça. O da barriga, toda a gente sabe para que serve; o do peito mastiga a respiração, que é a nossa comida mais urgente. Uma pessoa morre sem ar muito mais depressa do que sem água e pão. E por fim, o estômago da cabeça que se alimenta de palavras e de letras.” e ainda que “Encheremos o mundo de coisas preciosas. Serão tantas que os homens passarão por elas julgando-as banais.”. Somos uns sortudos por vivermos num mundo com estas “coisas preciosas”, como são, de resto, exemplo os livros deste mesmo autor que muito admiro e de quem continuo e continuarei a ser fã. Por favor, não os ignorem, são livros que alimentam bem o nosso 3º estômago.

XXXXx.png★★★★☆

4/5 - Muito Bom

 

 Até breve! 😊