Saltar para: Post [1], Coment√°rios [2], Pesquisa e Arquivos [3]

mar

literatura, cinema e afins

mar

literatura, cinema e afins

Sex | 31.08.18

Dicas e M√©todos de Estudo! ūüďö

Mar Pereira

Alguns colegas perguntaram-me, diversas vezes, o que fazia eu para conseguir alcan√ßar bons resultados acad√©micos. √Č certo que, para conseguir estar com os resultados que ambiciono, tive de experimentar diversos m√©todos.Uns resultaram, outros n√£o. Por isso, hoje, decidi partilhar convosco, tal como fiz com os meus colegas, alguns m√©todos e algumas dicas que podem tornar o vosso estudo mais f√°cil e, sobretudo, mais eficaz!¬†

 

Resultado de imagem para studying

 

Os três primeiros passos são aparentemente simples, mas são, também, dos pontos fulcrais para termos um bom estudo. Antes de começar a aplicar qualquer método em definitivo, tens de perceber...

1. Como é que estudas melhor

Sozinho ou em grupo?¬†Em sil√™ncio ou com m√ļsica? Em casa ou numa biblioteca/caf√©/esplanada/etc?

2. Em que altura do dia és mais produtivo

De manhã, pela fresca? Depois de almoço? Ao fim da tarde? À noite? 

3. Como é que memorizas mais facilmente a matéria

Terás uma memória visual apurada? Ou será que é uma memória mais auditiva?

 

Depois de fazeres essas tr√™s simples perguntas e ti mesmo e de obteres as respostas, basta come√ßares a delinear aquele que ser√°, para ti, o melhor m√©todo de estudo a aplicar. Se, por exemplo, sentes que estudar em grupo, em sil√™ncio, numa biblioteca, a meio da tarde te torna mais produtivo, arranja um pequeno grupo que partilhe da mesma opini√£o e aposta nessa f√≥rmula. Se, por acaso, tamb√©m te apercebes que tens uma mem√≥ria extremamente visual, ent√£o talvez os resumos feitos em texto corrido n√£o sejam para ti e devas aproveitar essas sess√Ķes de estudo para fazer esquemas de modo que, quando precisares de te lembrar da mat√©ria que estavas a estudar, a primeira coisa a vir-te √† mente seja esse esquema.¬†

 

Mas que outras maneiras podes utilizar para ter um estudo eficiente e que te leve a bons resultados? Bom, a chave para o sucesso √© diferente de caso para caso e, portanto, para atingir o topo ter√°s sempre de adaptar todas as dicas e sugest√Ķes dadas √† tua situa√ß√£o. Portanto, tudo o que a seguir √© sugerido √© baseado na minha experi√™ncia e naquilo que, pessoalmente, funcionou comigo.

 

Dicas de Estudo

 

  • Cria uma rotina de estudo

Criar o h√°bito de, todos os dias, a seguir ao dia de escola, rever a mat√©ria dada nas aulas pode salvar-vos a vida em √©poca de testes. Isto porque, ao ir estudando todos os dias, bocadinho aqui, bocadinho acol√°, v√£o libertar muito mais a vossa agenda na altura apertada que s√£o as semanas de avalia√ß√£o. Com estudar n√£o me refiro apenas a reler o que foi dado na aula e fechar os livros. Evidentemente que, caso no dia seguinte tenham algo muito importante a fazer ou estejam ainda a desligar-se de um mau dia de aulas, podem deixar esta tarefa para o dia seguinte, mas fazer da¬†procrastina√ß√£o¬†um h√°bito √© a vossa senten√ßa de morte, acreditem. N√£o acumular mat√©ria √© fundamental para se manterem a par daquilo que √© dado nas aulas e, desse modo, poderem estar ainda mais interessados nos conte√ļdos e terem conhecimento suficiente para responder a poss√≠veis quest√Ķes colocadas em aula. Toda a gente est√° careca de ouvir "estuda com frequ√™ncia e n√£o apenas na v√©spera!", mas, acreditem, √© mesmo verdade e faz a total diferen√ßa entre uma nota aceit√°vel e uma boa nota.

 

  • Tra√ßa objetivos para a sess√£o de estudo

Se, quando te sentares para estudar, escreveres num papel todas as tarefas que tens para fazer vais estar, de certo modo, a colocar metas a ti mesmo. Por exemplo, hoje tens a tarde livre e alguns trabalhos de casa para fazer: sentas-te, pegas num papel e escreves todos os TPC's que tens para fazer ‚Äď TPC Filosofia, TPC Matem√°tica, TPC Portugu√™s ‚Äď e tamb√©m a mat√©ria que tens de rever desse dia¬†‚Äď Biologia, Portugu√™s, Ingl√™s. √Ä medida que fores cumprindo os objetivos, vais colocando um certo ao lado, de modo a perceberes o qu√£o perto est√°s de atingir a meta imposta.¬†

O mais importante desta lista de objetivos √© que ela seja realista. N√£o esperem que, em 2 horas de estudo, consigam reler Os Maias, fazer 30 equa√ß√Ķes e ver a mat√©ria em atraso de 7329202 mil disciplinas. Respeitem o vosso tempo e criem metas que saibam, desde o princ√≠pio, que s√£o poss√≠veis de ser cumpridas.

 

  • Mant√©m¬†o teu lugar de estudo organizado (uma dica que eu mesma devia ter em conta)

Antes disso, é também necessário que tenhas um lugar de estudo definido. Saltitar, numa só tarde, entre a sala, a cozinha, o quarto e a varanda é excelente para perder algum material escolar e a concentração. Não digo que, no verão, por exemplo, estudar ao ar livre, no jardim/quintal ou na varanda, não seja uma boa ideia, mas ter um lugar definido para estudar é ainda melhor. 

Ter esse mesmo lugar de estudo organizado torna-o, além de mais apelativo, um grande salva-tempo. Se tiverem as vossas canetas arrumadas, as fichas organizadas e os cadernos postos em ordem, na hora de estudar, saberão onde está tudo e não vão ter que perder tempo a procurar aquela ficha de Filosofia que a professora disse ser muito importante para o próximo teste. 

 

  • Destacar as coisas mais importantes? Definitivamente, mas n√£o com marcadores¬†fluorescentes

Sim, sublinhar um ou outro excerto disto ou daquilo porque é realmente importante e uma ideia a reter é uma boa ideia. Fazê-lo com marcadores coloridos é que não. Podemos até achar que dá mais destaque a essas partes importantes, mas, primeiro, está cientificamente comprovado que olharmos para a tinta desses marcadores fluorescentes no papel pode provocar alguns problemas de visão e, segundo, não fica nada estético. Folheiem um manual que esteja todo sublinhado com esse tipo de coisas. Não fica bonito. Não fica nada bonito. Tudo parece uma autêntica confusão, pelo menos, a meu ver.

Portanto, se o ato de sublinhar é algo a ter em conta, mas os marcadores não são para usar, então, em que ficamos? Sublinhamos o que é importante, sim, mas com uma caneta (azul, preta ou até mesmo daquelas coloridas que tanta gente adora) ou com um lápis. E, mais importante ainda, sublinhar apenas o que é MESMO importante. Não é para pintar uma página inteira com caneta BIC.

 

  • FAZ PAUSAS

√Ȭ†extremamente¬†importante fazer pausas. N√£o estudes por mais de 2h30/3h seguidas. Isso n√£o te faz bem e n√£o te torna mais produtivo, acredita! Para mim, o ideal √© estudar 1h15/1h30,¬†fazer uma pausa de 10 minutos e, a seguir, estudar novamente durante 1h15/1h30 seguida. Mas, como as pessoas funcionam de maneira diferente e algumas podem sentir-se bem a estudar durante mais tempo seguido, alargar o per√≠odo de estudo at√© 3h pode funcionar. Mas isso √© o m√°ximo, mesmo que estejas muito desesperado para colocar mat√©ria em dia.

O que torna um estudo produtivo e eficaz n√£o √© o tempo que voc√™s passam √† frente dos livros, cadernos e apontamentos. Portanto, achar que estudar das 14h √†s 20h sem fazer uma √ļnica pausa vos vai dar melhores resultados est√°, na minha opini√£o, errado dos p√©s √† cabe√ßa.¬†

O mais importante fator no estudo n√£o est√° relacionado com o tempo, mas sim com a concentra√ß√£o. √Č prefer√≠vel estudarem durante 1 hora, mas nessa hora singular estarem a 101%, do que ficarem 6 horas enfiados num escrit√≥rio ou num quarto a "estudar". Sejamos sinceros, depois de 2h30 o vosso c√©rebro come√ßa j√° a distrair-se demasiado e a achar um teto ou parede branca a coisa mais interessante do planeta.

Portanto, se acham que aguentam 3h seguidas a estudar, força. Mas, depois disso, obriguem-se a parar, nem que seja por 10/15 minutos. Vão à casa de banho, bebam um copo de água, comam um bocado de chocolate, vejam um vídeo no YouTube, leiam um post num blogue, divaguem pelas redes sociais... Enfim, façam coisas que vos distraiam do estudo. 

A política das pausas exige que vocês sejam extremamente rigorosos convosco: quando é para estudar, é para estudar; quando é para desanuviar, é para desanuviar. Se limitam as pausas a 15 minutos, são 15 minutos e acabou. Não tomem o hábito de dizer "só mais um minutinho...". 

Em estilo de conclus√£o, 1h30 de estudo intensivo pode muito bem ser mais eficiente que 6h de estudo seguido (que acabar√° por n√£o ser intensivo).

 

  • Diz sim ao descanso

Não que seja uma dica de estudo propriamente dita, mas é algo que deves ter em conta se queres que o teu trabalho dê frutos. Todo o ser humano precisa de descanso, para isso é que existem as folgas, e o estudante também precisa delas. Arranja um dia que seja completamente livre, para fazeres o que quiseres: ver séries, filmes, ler, sair com amigos, estar com a família. Aceita esse dia livre como a tua folga. Se forem como eu e acharem que ao escolher um dia inteiro para essa função acabam por, de certo modo, estar a desperdiçar algum tempo valioso, optem por escolher apenas uma parte do dia para estarem completamente livres (é, aliás, o que mais recomendo que façam). Imaginem que escolhem a manhã de sábado como "folga". Podem acordar tarde ou aproveitar esse tempo para colocarem as séries em dia. E, depois do almoço, esse período de descanso termina e, durante a tarde, têm tempo para colocar a matéria da escola em dia. 

Eu, neste ano letivo que passou, terminava as aulas às 16h45 de sexta-feira e, depois de chegar a casa, nesse dia, não fazia mais nada. Ia fazer tudo o que me apetecesse, menos estudar (podia, ocasionalmente, fazer um ou outro trabalho de casa, mas nada mais). Guardava o estudo para fazer durante o fim de semana e, como ao longo da semana, depois das aulas e nas tardes livres, já adiantava muito trabalho, conseguia conjugar bem as coisas.

Não te foques apenas em estudar e em fritar o cérebro, toda a gente precisa de descansar um bocadinho, afinal, não queremos andar a dormir em pé por causa do cansaço, correto?

 

  • 75% do estudo est√° nas aulas

Este é o ponto mais importante: estejam atentos nas aulas. Se perceberem a matéria nas aulas, estão com meio caminho andado para aquele que vai ser o vosso trabalho em casa. Caso estejam com atenção nas aulas, quando chegarem a casa, vão ter apenas de rever e assimilar o que aprenderam. Caso estejam desatentos, quando chegarem a casa, vão ter que aprender tudo sozinhos e terão o triplo da dificuldade e, por isso, os resultados não vão ser tão bons o quanto desejavam. 

Al√©m disso, ao estarem focados nas li√ß√Ķes, podem ir sempre levantando quest√Ķes √† medida que a mat√©ria √© dada e as d√ļvidas v√£o surgindo, de modo que, muito rapidamente, as mesmas se desfazem.

Vai registando os teus pr√≥prios¬†apontamentos, tira d√ļvidas e escuta com toda a aten√ß√£o aquilo que os professores dizem. Faz a diferen√ßa entre uma boa noite e uma excelente nota.¬†

 

Métodos de Estudo

 

  • ¬†A melhor maneira de assimilar¬†conhecimento √© atrav√©s da pr√°tica

Isto serve para quase todas as disciplinas. Sobretudo para os n√ļmeros e para as l√≠nguas. Tomemos como exemplo Portugu√™s, mais especificamente a Gram√°tica que, segundo me apercebo, √© uma das maiores dores de cabe√ßa dos alunos. Vamos supor que voc√™s s√£o uma n√≥doa nas ora√ß√Ķes, que n√£o percebem nada daquilo. Devem, inicialmente, estudar a parte mais te√≥rica da coisa, saber o que s√£o, como √© que est√£o dividas (coordenadas/subordinadas e as subdivis√Ķes de ambas), para que √© que s√£o usadas...¬†

Mas se querem mesmo saber distinguir uma ora√ß√£o subordinada substantiva completiva de uma ora√ß√£o subordinada adverbial causal num curto espa√ßo de tempo, quase instantaneamente, t√™m que fazer MUITOS exerc√≠cios. Usem o caderno de atividades, o pr√≥prio manual deve conter alguns exerc√≠cios sobre o assunto, aproveitem as fichas que os vossos professores vos fornecem e, se isto ainda n√£o for suficiente, a Internet¬†tem tamb√©m pode ser utilizada. Caso estejam mesmo com muitas dificuldades recomendo pratiquem e afinem motores, ainda antes do come√ßo do ano escolar. Se sentirem mesmo muitas dificuldades, n√£o h√° problema em procurar por exerc√≠cios e fichas de anos anteriores ao vosso (por exemplo, est√£o no 10¬ļ ano e v√£o buscar fichas do 7¬ļ/8¬ļ/9¬ļ). A aprendizagem deve ser feita de modo gradual e n√£o podem construir uma casa sem alicerces.¬†

Outra sugestão no que toca à prática é refazer os exercícios que são feitos em aula. Imaginemos que, na aula de Matemática de hoje, fizeram 10 exercícios sobre a matéria que foi dada na lição passada. Chegar a casa e refazer esses exercícios traz vários benefícios: primeiro, isso já é um estudo e estão já a rever a matéria das aulas; depois, caso errem, têm a correção convosco e notam perfeitamente em que é que estão a falhar e, na aula seguinte, podem pedir ajuda ao vosso professor para solucionar o problema; e, por fim, muitas vezes os professores colocam nos testes exercícios relativamente semelhantes àqueles que são feitos e corrigidos em sala de aula. 

 

  • Coloca os assuntos num modelo causa-efeito

Isto √© excelente para organizar ideias e uso com muita frequ√™ncia em Hist√≥ria A (Geografia tamb√©m, por vezes). Como disse, n√£o h√° melhor para estruturar e formatar conhecimentos. Pensemos, por exemplo, na Trilogia Negra do S√©c. XIV (fome, peste e guerra), concretamente na fome [que √© capaz de ser o mais f√°cil de explicar]: Anos muitos chuvosos¬†¬†‚ě°ÔłŹ Maus anos agr√≠colas¬†‚ě°ÔłŹ¬†Fome.¬†

Portanto, basta pensar no assunto X, que é o vosso tema principal, e questionar: o que é que nos levou a ele? Os motivos A, B, C; e o que é que esse assunto X provocou? Teve as consequências M, N O, P.

 

123.PNG

 

  • Testa-te a ti¬†pr√≥prio

Fazer testes sobre a matérias que vai sair na vossa prova é uma técnica muito usada e, convenhamos, mal não vos pode fazer porque através disso estão, novamente, a praticar. Muitos manuais e cadernos de atividades têm este tipo de material preparado, mas, mais uma vez, a nossa querida amiga Internet também pode ser nossa aliada.

Além disso, podes também debruçar-te mais sobre a parte da matéria que tem mais probabilidade de sair. Há duas formas de descobrir isso: ou é mesmo uma matéria que, dê por onde der, vai sair no teste (em Português, quando falamos de uma obra literária, por exemplo) ou porque o próprio professor deu essa dica em aula. Baseando-te nisto, podes fazer perguntas a ti mesmo, de modo a obrigar-te a explicar o assunto X ou Y.

 

  • Rev√™ a mat√©ria em voz alta

Este é um truque que resulta a 100% comigo. Uso e abuso dele para todas as disciplinas. Pega nos teus resumos/livros/apontamentos e na folha de objetivos (normalmente os professores disponibilizam os objetivos ou as páginas que têm de estudar para o teste. Se receberam os objetivos já discriminados, ótimo, menos trabalho terão; se têm apenas as páginas, basta pegarem numa folha e irem anotando lá a matéria presente nas páginas indicadas), certifica-te que estás concentrado e na altura do dia em que és mais produtivo e, depois, começa a declamar a matéria por ali fora, como se a estivesses a ensinar a alguém, não esquecendo, por isso, pormenores. Caso notes que uma ou outra parte ainda precisa de ser revista, aconselho a que destaques esse objetivo para mais tarde voltares a ele. Se tiveres uma branca, podes rapidamente fazer uma pausa e reler os teus apontamentos, para ver se a matéria assenta de vez e conseguires, depois, continuar o raciocínio. 

 

Como j√° referi, tudo o que aqui foi apresentado baseia-se meramente na minha experi√™ncia, naquilo que resultou comigo. Se, por exemplo, acham que ao estudar 6h seguidas est√£o a ser produtivos, continuem. Adaptem-se e moldem as sugest√Ķes que vos s√£o dadas a voc√™s mesmos. N√£o existe uma f√≥rmula que resulte com todos, muito menos uma f√≥rmula infal√≠vel, e, como se costuma dizer, o que seria do amarelo se toda a gente gostasse do rosa, certo?

Espero que as dicas sejam √ļteis em algum ponto da vossa vida acad√©mica! Sintam-se √† vontade para partilhar mais dicas comigo! :)

 

¬†At√© breve!¬†ūüėä

 

 

 

 

2 coment√°rios

Comentar post